FEATURED IMAGE Panel 3 COVID Webinar

11 fevereiro, 2022

Desinformação sobre COVID-19 alimenta hesitação sobre vacinas, dizem painelistas em webinar

Um grupo de experientes jornalistas científicos, comunicadores e especialistas em saúde de todo o mundo discutiu como melhorar a cobertura da COVID-19 em uma sessão que se concentrou especialmente no combate à desinformação sobre a pandemia e as vacinas.

O painel, moderado por Deborah Blum, diretora do programa Knight Science Journalism no MIT, concentrou-se em como os jornalistas devem superar os desafios ao reportar sobre novas variantes do vírus da COVID-19, desenvolvimento de vacinas e medicamentos.

Durante o webinar, palestrantes e participantes desta sessão altamente interativa compartilharam suas experiências sobre como as vacinas contra a COVID-19 são distribuídas em todo o mundo. Eles apontaram preocupações crescentes sobre os papéis que a confiança, a crença em teorias da conspiração e a disseminação de desinformação nas mídias sociais desempenham no impacto da hesitação sobre vacinas, especialmente em países de baixa e média renda na África Subsaariana.

Panel 3 of COVID-19 webinar
Painelistas do webinar sobre a cobertura da COVID-19: Deborah Blum, Mohammed Yahia, Amy Maxmen, Akin Jimoh, Josh Michaud e Margaret Harris (Captura de tela)

O evento foi organizado pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas da Universidade do Texas em Austin, em parceria com a UNESCO, financiado pela Organização Mundial da Saúde e pelo Programa Multidoadores da UNESCO sobre Liberdade de Expressão e Segurança de Jornalistas. As gravações do webinar podem ser encontradas na página do Centro Knight no YouTube em inglêsárabefrancêsportuguêsespanhol.

A maioria dos participantes do painel expressou suas convicções de que a hesitação sobre vacinas é motivada principalmente por desinformação e preocupação genuína em relação aos benefícios e riscos das vacinas.

No entanto, a situação varia de uma região para outra. Uma nova análise mostra que os países do G20 receberam 15 vezes mais doses de vacinas contra a COVID-19 per capita do que os países da África Subsaariana.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) mostra que apenas cerca de 8% das pessoas no continente africano foram totalmente vacinadas contra a COVID-19, com apenas 4% da população africana em geral tendo recebido uma única dose. Em comparação, mais de 60,2 milhões de doses de reforço foram administradas nos EUA em dezembro de 2021.

Hesitação sobre vacinas

COVID vaccine

Josh Michaud, diretor associado de saúde global da Kaiser Family Foundation nos EUA, atribuiu as baixas taxas de vacinação às barreiras nos esforços globais de distribuição de vacinas.

“Quando você olha para regiões como a África, você percebe uma distribuição global ineficiente e injusta das vacinas contra a COVID-19 (…) [ainda] há uma diferença enorme entre a porcentagem da população que está vacinada em países de baixa renda em comparação com países de renda mais alta”, disse ele.

No entanto, a iniciativa COVAX liderada pela OMS foi projetada para supervisionar a distribuição de vacinas para países pobres. Os números mais recentes da agência da ONU mostram que apenas 20 países africanos vacinaram pelo menos 10% de sua população. A OMS estima que levará até maio de 2022 antes que a África atinja 40% de cobertura.

Para corrigir esses desequilíbrios na distribuição global de vacinas e taxas de vacinação, todos os painelistas estavam convencidos de que existem alguns desafios logísticos a serem superados para os países, especialmente na África e no Oriente Médio, alcançarem as metas de cobertura vacinal.

De acordo com Mohammed Yahia, jornalista científico egípcio e editor executivo da Nature Research no Oriente Médio, a hesitação sobre vacinas no Egito, bem como em alguns países do Oriente Médio, foi vista como uma preocupação crescente durante o período inicial em que a COVID-19 foi declarada uma pandemia.

“Por um período de tempo, havia muito pouca disponibilidade de vacina e era preciso estar na lista de espera que poderia se estender por vários meses para obter sua primeira vacina”, disse Yahia.

Mas, além disso, segundo ele, a má comunicação em torno das vacinas também prejudicou sua aceitação. Os jornalistas científicos ou os principais meios de comunicação que cobrem a pandemia estavam enfrentando muitos desafios para transmitir mensagens que têm a capacidade de influenciar a aceitação da vacina.

Combatendo a desinformação 

Yahia também acrescentou que a outra razão pela qual as pessoas não querem ser vacinadas está ligada à comunidade de saúde – médicos, por exemplo, que compartilham vídeos nas mídias sociais para dizer a seus pacientes que não devem tomar a vacina porque não foi testada, foi apressada e eles não sabem sobre os potenciais efeitos colaterais a longo prazo.

“Isso criou uma espécie de medo entre a população, então quando a disponibilidade melhorou, quando começamos a ver algumas vacinas chegando, muitas pessoas eram muito resistentes a tomar essas vacinas”, disse Yahia. “Foi bastante interessante porque historicamente nunca houve um movimento antivacina per se, no Egito.”

COVID misinformation

No entanto, a situação em algumas partes da África Subsaariana, incluindo a Nigéria, tem sido bem diferente, onde os políticos foram os primeiros a falar sobre a COVID-19.

“Quando chegou a hora da resposta à pandemia, os painéis estabelecidos em nível nacional, incluindo comitês de especialistas, estavam lotados principalmente de políticos, pessoas que realmente não sabem muito sobre o que estava acontecendo”, Akin Jimoh, um dos palestrantes e jornalista científico da Nigéria, que também é editor da Nature Africa, disse aos participantes do webinar.

Embora a maioria dos países da África Subsaariana e do Oriente Médio compartilhem desafios logísticos semelhantes, bem como problemas de armazenamento de vacinas, a importância de combater a desinformação sobre a COVID-19 também é fundamental para a implantação bem-sucedida das vacinas.

“Não podemos nos esquivar de nossas responsabilidades de abordar as principais questões e, como jornalistas científicos, somos a elite do jornalismo quando se trata de reportar com precisão sobre as vacinas contra a COVID-19”, disse Jimoh.

Amy Maxmen, outra palestrante e repórter científica sênior da Nature baseada nos EUA, disse que no país há alguns problemas especiais nos esforços para vacinar todas as pessoas. Um desses problemas, disse ela, é a divisão política e a ideologia que pode influir contra qualquer coisa que o establishment diga. Além de haver uma perda real de confiança no establishment, ela também destacou que os estados têm muito poder no país.

Questionada sobre por que ter grande acesso a vacinas parece não ter feito muita diferença nos EUA, Maxmen explicou que o suprimento suficiente não se traduz automaticamente em vacinação para todos.

“Você precisa do fornecimento, precisa das cadeias de fornecimento, a distribuição precisa ser boa”, disse ela. “Não é simples levar as vacinas a todos os lugares; isso é caro e é muito planejamento logístico e muitas pessoas, e há uma parte de comunicação disso, então são todas essas coisas.”

Responsabilidade

Embora seja responsabilidade dos governos garantir a distribuição de vacinas e informações para que as pessoas sejam vacinadas, todos os participantes do painel estão convencidos de que os esforços para aumentar a confiança do público nesse assunto são importantes. As autoridades públicas e a comunidade científica precisam comunicar e oferecer transparência sobre como lidar com a pandemia de COVID-19.

“Quando você responsabiliza o governo, você também deve responsabilizar a comunidade científica”, disse Jimoh, referindo-se à situação atual em grandes partes da África Subsaariana.

Considerando que é responsabilidade dos jornalistas científicos garantir que a informação que eles transmitem seja autêntica e relevante para a vida da comunidade, Jimoh enfatizou que a responsabilidade é transversal para onde o governo deve liderar, e os jornalistas precisam seguir na direção certa.

Comentando sobre esses esforços na implementação da vacinação contra a COVID-19, Margaret Harris, da OMS, explicou que as pessoas com maior risco de infecção e morte relacionada à COVID-19, bem como grupos prioritários, como profissionais de saúde, foram atendidos primeiro porque são os mais expostos.

Entretanto, antes da vacinação em larga escala, a maioria dos painelistas insistiu na necessidade de haver logística.

“A preparação é importante em todas as etapas, não apenas na vacina, mas no sistema que temos”, disse Jimoh. Yahia observou que a mídia tem um papel fundamental a desempenhar no aumento da confiança na vacina contra a COVID-19 e no combate à desinformação.

À medida que a vacina contra a COVID-19 avança globalmente, Michaud observou que a hesitação em relação à vacina e a disseminação de desinformação ainda são as principais barreiras à adoção da vacina.

“O desafio é mais complexo porque temos que estar atentos ao lado da distribuição”, disse. “Temos que combater a hesitação e a desinformação”.